As 10 criptomoedas mais promissoras que o Bitcoin! - Portal Economia

As 10 criptomoedas mais promissoras que o Bitcoin!

criptomoedas iguais o Bitcoin Cultura e Economia

Antes de conhecermos as criptomoedas mais promissoras, vamos fazer uma breve revisão sobre as criptomoedas – moedas digitais.

As criptomoedas são moedas digitais em forma de token. Elas possuem como principal característica uma criptografia complexa cujo processamento ocorre em sistemas descentralizados.

Essas moedas digitais foram criadas com o objetivo de serem descentralizadas, isto é, não sofrerem manipulação por parte de governos.

Geralmente, quando ouvimos falar em criptomoedas, logo vem a mente o Bitcoin. Bitcoin é a pioneira das criptomoedas, sendo atualmente a mais popular de todas em circulação.

No entanto, embora seja tão famosa, há milhares de outras criptomoedas além do Bitcoin. Muitas dessas novas moedas digitais foram criadas com o intuito de serem versões melhoradas do Bitcoin.

Essas novas criptomoedas são muito promissoras, elas são conhecidas como altcoins ou shitcoins e se apresentam como versões melhoradas do Bitcoin.

A seguir, você conhecerá as criptomoedas iguais ao Bitcoin, isto é, moedas digitais alternativas ao famoso Bitcoin.

Lista das criptomoedas promissoras iguais ao Bitcoin

1. Ethereum (ETH)

Ethereum é a primeira criptomoeda promissora a substituir o Bitcoin. Ethereum é uma plataforma de software descentralizada que permite a construção e operação de smart contracts e aplicativos descentralizados, sem riscos de problemas com operacionalidade, fraude, controle ou interferência de terceiros.

O objetivo por trás do Ethereum é criar um conjunto de produtos financeiros descentralizados que qualquer pessoa no mundo pode acessar gratuitamente, independentemente de nacionalidade, raça ou crença.

Esse aspecto torna essa criptomoeda atrativa, pois qualquer um pode ter acesso a contas bancárias, empréstimos, seguros ou vários outros produtos financeiros independente de onde esteja.

Como funciona o Ethereum?

O aplicativo no Ethereum é executado em seu token – Ether – criptográfico específico da plataforma. O Ether é a base da plataforma Ethereum.

O Ether é procurado principalmente por desenvolvedores que querem desenvolver e executar aplicativos no Ethereum, assim também atrair investidores que desejam usar o Ether para comprar outras moedas digitais.

Ele foi lançado em 2015 e é atualmente a segunda maior moeda digital em capitalização de mercado depois do Bitcoin.

O Ethereum planeja mudar seu algoritmo de consenso de prova de trabalho para prova de participação. Isso permitirá que a rede do Ethereum se execute com muito menos energia e maior velocidade de transação.

A prova de participação permite que os participantes da rede “apostem” seu éter para a rede. Esse processo ajuda a proteger a rede e processar as transações que ocorrem e aqueles que fazem isso são recompensados.

Esta é uma alternativa ao mecanismo de prova de trabalho do Bitcoin, onde os mineradores são recompensados com Bitcoins para processar transações.

2. Litecoin (LTC)

O Litecoin foi lançado em 2011 e é uma das primeiras criptomoedas promissoras a seguir os passos do Bitcoin. Se o Bitcoin é conhecido como o “ouro” das criptomoedas, o Litecoin seria a “prata”.

Ele foi criado por Charlie Lee, graduado do MIT e ex-engenheiro do Google.

Litecoin é baseado em uma rede de pagamento global de código aberto que não é controlada por nenhuma autoridade central e usa “scrypt” como uma prova de trabalho, que pode ser decodificada com a ajuda de um PC pessoal.

Embora o Litecoin seja semelhante ao Bitcoin em muitos aspectos, ele tem uma taxa de geração de blocos mais rápida e, portanto, fornece tempos de confirmação de transação mais rápidos. Além de desenvolvedores, cada vez mais comerciantes aceitam Litecoin.

3. Cardano (ADA)

Cardano é uma criptomoeda Ouroboros Proof of Betting, criada por engenheiros, matemáticos e especialistas em criptografia usando métodos baseados em pesquisa.

O projeto foi co-fundado por Charles Hoskinson, um dos cinco principais membros fundadores da Ethereum. Após algumas divergências sobre a direção da Ethereum, Hoskinson saiu e mais tarde ajudou a criar a Cardano.

A equipe por trás do Cardano criou seu blockchain por meio de longos experimentos e pesquisas revisadas por pares. Os pesquisadores desse projeto escreveram mais de 90 artigos sobre tecnologia blockchain em vários temas.

Essa pesquisa é a base da Cardano. Devido a este processo rigoroso, em relação adoção da prova de participação, Cardano se destaca dos seus pares.

Cardano também é conhecido como Ethereum Killer porque seu blockchain é melhor que o do Ethereum. No entanto, vale ressaltar que o Cardano ainda está em seus estágios iniciais.

Embora tenha ultrapassado o Ethereum no modelo de consenso de prova de participação, ainda há um longo caminho a percorrer em termos de investimento financeiro descentralizado.

Cardano é um criptomoeda promissora, que tem como objetivo se tornar o sistema operacional financeiro mundial, estabelecer um produto financeiro descentralizado semelhante ao Ethereum e fornecer soluções como interoperabilidade de cadeia, fraude eleitoral e rastreamento de contratos legais.

4. Polkadot (DOT)

Polkadot é uma criptomoeda exclusiva de prova de participação projetada para fornecer interoperabilidade entre outras blockchains.

Seu protocolo visa conectar blockchains, assim também oracles, e permitir que os sistemas trabalhem juntos em um mesmo ambiente.

O principal componente do Polkadot é sua cadeia de retransmissão, que permite a interoperabilidade de várias redes. Ele também permite que parachains paralelos ou blockchains usem seus próprios tokens nativos em casos de uso específicos.

A diferença entre Polkadot e Ethereum é que os desenvolvedores podem não apenas criar aplicativos descentralizados no Polkadot, mas também criar seus próprios blockchains usando a segurança existente da cadeia Polkadot.

Como o Ethereum, os desenvolvedores podem criar novos blockchain, mas precisam criar suas próprias medidas de segurança, o que tornará projetos novos e menores vulneráveis ​​a ataques, porque quanto maior o blockchain, mais seguro ele é.

Este conceito no Polkadot é conhecido como segurança compartilhada. Ele também faz outras alterações, incluindo a remoção do protocolo Segregated Witness que impacta o espaço do bloco.

5. Bitcoin Cash (BCH)

Bitcoin Cash (BCH) ocupa um lugar importante na história dos altcoins porque é um dos primeiros e mais bem-sucedidos hard forks do Bitcoin original. No mundo das criptomoedas promissoras, haverá hard forks devido a debates e discussões entre desenvolvedores e mineradores.

Devido à natureza descentralizada das moedas digitais e ao consenso geral, o código subjacente de tokens ou moedas relacionadas deve ser alterado em lotes; o mecanismo desse processo varia para criptomoedas específicas.

Quando diferentes idealizadores discordam, às vezes a moeda digital se divide, a cadeia original mantém o código original inalterado, a nova cadeia começa como uma nova versão da moeda antiga e seu código será alterado.

Como resultado de uma dessas divisões, o BCH surgiu em agosto de 2017. O debate que levou à criação do BCH está relacionado a questões de escalabilidade, já que a rede Bitcoin tem restrições quanto ao tamanho do bloco.

O BCH aumenta o tamanho do bloco de 1 MB para 8 MBs, com a ideia de que blocos maiores podem conter mais transações dentro deles, e a velocidade de transação seria, portanto, aumentada.

Também faz outras mudanças, incluindo a remoção do Segregated Witness protocol que impacta o espaço do bloco.

6. Stellar (XLM)

A Stellar foi fundada por Jed McCaleb, um membro fundador da Ripple Labs e desenvolvedor do protocolo Ripple.

Stellar é uma rede de blockchain aberta. Ela foi projetada para fornecer soluções corporativas conectando instituições financeiras para grandes transações.

Normalmente, grandes transações entre bancos e empresas de investimento demoram dias, têm elevados custos e envolvem diversos intermediários.  A Stellar torna possível que transações desse porte sejam concluídas quase imediatamente e sem intermediários.

Não há custo. Embora a Stellar tenha foco em no blochain corporativo para transações instituicionais, ela é aberta para qualquer pessoa que deseja usá-la.

O sistema da Stellar possibilita transações financeiras internacionais entre quaisquer moedas. A moeda usada na rede Stellar é o Lumens (XLM).

7. Chainlink

Chainlink é uma rede oracle descentralizada que conecta smart contracts (como contratos no Ethereum) com dados externos.

O blockchain em si não tem a capacidade de se conectar de forma confiável a aplicativos externos.

O oracle descentralizado do Chainlink permite que smart contracts se comuniquem com dados externos, de forma que os contratos possam ser executados com base em dados que o próprio Ethereum não pode conectar.

O blog da Chainlink detalha muitos casos de uso de seu sistema. Um dos muitos casos de uso explicados é monitorar o abastecimento de água para evitar poluição ou sifonamento ilegal em certas cidades.

Sensores podem ser instalados para monitorar o consumo de água da empresa, o nível do lençol freático e o nível de água local.

Um oracle chainlink pode rastrear esses dados e inseri-los diretamente no contrato inteligente. Você pode criar contratos inteligentes para aplicar multas, fazer avisos de inundação para as cidades ou descobrir empresas que usam muita água de uma cidade com os dados recebidos do oracle.

8. Binance Coin (BNB)

Binance Coin é uma das criptomoedas promissoras porque é prática que pode ser usada como método de pagamento para taxas relacionadas a transações na Binance Exchange.

Aqueles que usam tokens como método de pagamento nas bolsas podem negociar com desconto. O blockchain da Binance Coin também é uma plataforma para operações de câmbio descentralizadas da Binance.

9. Tether (USDT)

Tether é o primeiro e mais popular de um grupo de chamadas stablecoins. Essas criptomoedas são promissoras por serem projetadas para alocar seu valor de mercado em moedas ou outros benchmarks externos para reduzir a volatilidade.

Como a maioria das moedas digitais, mesmo as principais como Bitcoin, costumam passar por períodos de flutuações turbulentas, o Tether e outras moedas estáveis ​​tentam suavizar as flutuações de preços para atrair usuários que, de outra forma, poderiam ser cautelosos.

O preço do Tether está diretamente vinculado ao preço do dólar. Comparado com a conversão real para moedas convencionais, o sistema permite que os usuários convertam outras criptomoedas de volta para dólares mais facilmente e em tempo hábil.

Lançado em 2014, o Tether se descreve como “uma plataforma que suporta blockchain, projetada para facilitar o uso digital de moedas fiduciárias.”

De forma efetiva, essa criptomoeda permite que os indivíduos utilizem uma rede blockchain e tecnologias relacionadas para transacionar em moedas tradicionais, minimizando a volatilidade e complexidade frequentemente associadas às moedas digitais.

10. Monero (XMR)

Monero é uma moeda segura, privada e indetectável. Esta criptomoeda de código aberto foi lançada em abril de 2014 e logo atraiu grande interesse da comunidade de criptografia e de entusiastas.

O desenvolvimento desta criptomoeda é inteiramente baseado em doações e orientação comunitária.

O lançamento do Monero dá grande ênfase à descentralização e escalabilidade e usa uma tecnologia especial chamada ring signatures para obter privacidade total.

Através desta tecnologia surge um conjunto de assinaturas criptográficas, que inclui pelo menos um participante real, mas o real não pode ser isolado porque todas parecem ser válidas.

Devido a este mecanismo de segurança especial, Monero tem uma má reputação, sendo relacionado a atividades criminosas em todo o mundo.

Embora exista a possibilidade dessa criptomoeda facilitar transações criminosas anônimas, a privacidade inerente de Monero também é útil para dissidentes de regimes autoritários em todo o mundo.

Conclusão

Há milhares de criptomoedas em circulação, sendo que a qualquer momento, pode surgir a criptomoeda que pode superar todas.

Mesmo com tantas, o Bitcoin é ainda a moeda digital mais famosa atualmente e, embora exista outras moedas com tecnologias superiores, ainda não são capazes de competir com o Bitcoin em termos de popularidade e capitalização de mercado.

Nesse artigo, você conheceu as criptomoedas promissoras alternativas ao Bitcoin. Todas elas possuem grande potencial e possuem um grande volume de capitalização.

E aí, qual delas você já conhecia? Conte nos comentários. Até a próxima.

Classifique o artigo
Compartilhe com seus amigos
Portal Economia
Deixe seu comentário